3 min read

Não era a primeira vez que ia para a escola, podia parecer mas não era. Ainda se lembrava de como tinha sido o primeiro dia de aulas de sempre. Como todos nós, que achamos tudo giro e fantástico porque estávamos com outros meninos e meninas da nossa idade.

Só depois é que deixamos de gostar tanto, mas isso é outra história.

Este ia ser um dia diferente, apesar de também ser uma primeira vez. Estava nervoso porque tudo em si era falso. Desde as roupas que não eram de marca, à identificação, a todo o passado que tinha sido fabricado cautelosamente.

Chegou à universidade e sentiu-se à deriva naquele mar de gente enquanto procurava pela sala de aula. Quando a encontrou, só queria esconder-se de tudo e todos. Directo até ao fundo da sala, escolheu um dos cantos e esperou com o caderno aberto e apontamentos que tinha imprimido.

Ela sentou-se ao lado dele, meio irritada porque lhe tinham roubado o lugar.

Durante aquelas 2h ficaram a ouvir o professor e a observar as nucas dos colegas, que se mostravam mais interessantes do que a história do Direito e o tom monocórdico que se ouvia na sala. Houve mesmo um instante de sonolência.

Ela achou-o estranho e a certa altura ficou a observar sem tentar ser discreta. A aula terminou.

— Tu não és daqui, pois não?

— Hm?

— És de onde? Estás perdido?

— Não estou perdido, sei muito bem para onde vou.

— Eu acho que estás perdido…

— Não estou, posso passar por favor?

— Estiveste duas horas a ouvir História do Direito mas tinhas contigo fotocópias de Introdução à economia. Ou estás perdido ou és doido.

— Ou os dois, as duas coisas não são mutuamente exclusivas.

— Meu Deus, és o Sheldon …

Foi-se embora e deixou-o passar.

Noutros dias aquela conversa não o tinha afectado. Só que aquele dia não era como os outros e as palavras tinham-no deixado desconfortável.

Voltou para casa eventualmente, depois dos desconfortos da hora de almoço e de interagir com outros alunos. Nada disto ia ser fácil.

— Correu bem o dia ?

— Correu, quer dizer, sei lá, acho que correu. Cheguei ao fim e não suspeitaram de nada. Acho que isso significa que correu bem.

— Nem nunca iriam desconfiar.

— Olha que … se calhar iam. Uma pessoa teve uma conversa estranha comigo. Fiz uma tolice. Passei duas horas a tirar apontamentos com o livro errado à minha frente e a rapariga que se sentou ao meu lado estranhou.

— Mas não suspeitou.

— Perguntou se eu estava perdido … enfim. Eu não me ia deixar afetar, normalmente. Mas ainda me estou a habituar a tudo isto. Se pudesse voltava para casa.

— Eu também gostava, mas não podemos. Talvez um dia. Eu sei que estamos em exílio mas nunca se sabe quando as duas nações percebem que esta guerra não leva a lado nenhum.

— Talvez um dia … é uma coisa forte de se dizer. Não viajámos duas galáxias inteiras por aquilo ser uma guerrinha pequena. Eu estou conformado. A nossa vida agora é neste planeta de criaturas iguais a nós e temos de nos habituar. Vai ser complicado, mas pelo menos é um lar.

— E é um lar porque a família está unida. Anda, o jantar está pronto.


Às Páginas Tantas

um exercício, uma tentativa de criatividade

Select one of the pages in this story

header
Creativity

Cinderela

Há muitas Histórias mal contadas, e a da Cinderela é mais uma. É verdade que ela vivia com a madrasta e as irmãs, e estava a tirar um curso de gestão de … Read more

header
Creativity

Bianca Neves e os 7 colegas de casa

Pensamos sempre que as histórias se passaram há muito tempo, porque nos contaram a história a começar com “Era uma vez”. E se o tempo não for … Read more

header
Creativity

Agora faltam as páginas de hoje

“Agora faltam as páginas de hoje” Caraças para este gajo pah! E o pior é que ele tem razão. Faltam as 500 palavras de hoje e também faltava a … Read more

header
Creativity

Primeiro dia de aulas

Não era a primeira vez que ia para a escola, podia parecer mas não era. Ainda se lembrava de como tinha sido o primeiro dia de aulas de sempre. Como todos … Read more

header
Creativity

Dia a dia no bairro

All neighborhoods have their own whimsical and treasured characters. Those who wake up almost at the same time and meet each other in cafes, amid cheerful … Read more

header
Creativity

Viagens pelo País Encantado

Corre corre corre! Corre contra o tempo que já é quase meia noite! Será que há uma entrada para o país das maravilhas em Lisboa? Aposto que é no bairro … Read more

header
Creativity

Porque é que tu corres?

Lembro-me perfeitamente da vez que corri 9 quilómetros. De estar a ouvir a mixtape “brinde” dos Orelha Negra, de sair de casa com a cabeça … Read more

header
Creativity

Às Cartas

Odeio tabaco. Odeio o cheiro e a pose de superioridade deste gajo. E a falta de maneiras. Pega nos amendoim com a mão cheia, enfia-os na boca como se fosse … Read more

header
Creativity

18 08 2017

Estava sentado sozinho na mesa de um café ao computador. A ouvir música pelos auriculares, baixo o suficiente para ouvir o que o rodeava. Numa das mesas … Read more

header
Creativity

17 08 2017

Eu leio pouco, mas ainda assim há ocasiões em que me lembro de bocadinhos de literatura que fazem todo o sentido. Hoje foi o Poema em Linha Reta de Álvaro … Read more

header
Creativity

16 08 2017

É sempre complicado deixar as coisas arrastar. Esta rotina funciona muito melhor quando a consigo fazer ainda de manhã. E há conversas que não se podem nem … Read more

header
Creativity

15 08 2017

Ainda há dois minutos ou três eu tinha ideia sobre o que queria escrever. Entretanto fugiu quando entrei na rotina de feriado. Já não estou à janela porque … Read more

header
Creativity

14 08 2017

Não sei se vai ser difícil escrever uma página por dia. Por agora estou sentado à mesa do pequeno almoço, rodeado de banalidades e com uma chávena de café … Read more

Follow

Enter your email to get a weekly digest of new posts.