3 min read

Lembro-me perfeitamente da vez que corri 9 quilómetros. De estar a ouvir a mixtape “brinde” dos Orelha Negra, de sair de casa com a cabeça pesada e de pensar “Hoje não é para correr depressa, hoje é só para ver até onde consigo chegar”.

Entre passos ligeiramente mais rápidos do que a andar, cheguei ao passeio marítimo de Paço de Arcos e aumentei o ritmo devagar. Um pé, outro, respira, ouve a música e concentra-te, pensa, ou melhor, não penses, respira.

Parte do exercício de correr, especialmente àquelas horas da noite, está na tentativa de não pensar. Quando uma corrida me faz bem, não tem nada a ver com running mas tem tudo a ver com meditação e com aquele esforço constante de não pensar.

Por isso é que não compreendo quem me diz coisas como “Não vejo sentido em correr, correr para quê? Vais apanhar o autocarro?". Normalmente esquivo-me destas conversas como se fossem conversa de ideologia política ou de bola. Não tenho interesse nenhum em tentar mudar a forma de pensar de quem está focado nesta ideia.

Não os levo a mal, tal como não levei de todo a mal quando uma blogger fez uma sátira (muito boa) sobre as pessoas que correm. A bumba na fofinha. Tem piada, e se não gostam de correr podem ficar no sofá. Mas deixem-me correr em paz sem conversas que reduzem algo que me faz bem a uma actividade sem sentido.

Naquela noite, também me lembro dos momentos chave. Aquelas alturas em que sabes que estás próximo de um limite anterior e mesmo assim continuas. Para mim isso surgiu quando estava próximo do sítio onde costumava voltar para trás e pensei, “Hoje vamos até à marina, só um bocadinho mais longe”.

E lembro-me de como o piso era diferente, de sentir os pés escorregar um bocadinho mais nas tábuas, de ter de acertar melhor o ritmo da corrida com o ritmo da música.

Respira, concentra-te, postura, foca-te no ponto mais longe, respira.

Mentia se não dissesse o quanto a minha mente vagueia nestas alturas. Pensamos em todas as coisas e em nenhumas. E o objectivo é mesmo esse, voltar ao exercício de sentir a respiração, voltar ao ponto em que o importante é o próximo passo e não o final da corrida.

“Vais fazer quantos hoje?

  • Estás a ficar fraquinho, tens de melhorar pah”

Não tens porra nenhuma. Tens de correr por ti e para ti e não pelas stats, pelos rankings ou pelo raio que os parta. Sim, força aí e partilha com os amigos nas redes sociais porque por pouco que seja é teu e mereces os louros por ter saído do sofá.

Também me lembro muito bem quando me passou pela cabeça que estava cansado. Já tinha passado quase 1h, faltavam uns 10 ou 20 minutos, não sei ao certo. Só sei que quando me senti assim já estava longe de casa, demasiado longe para parar ali e me arrastar.

“Concentra-te, respira, foca-te. Pelo menos vamos terminar no mesmo sítio onde começámos.”

Mordi o lábio e segui.

Foda-se! Quando parei senti uma tonelada a cair-me nos ombros e ao mesmo tempo foi uma das alturas em que me senti mais leve.

Arrastei os pés até casa, entrei para o duche e caí na cama. Amanhã ia ser outro dia difícil. 565 Palavras.


Às Páginas Tantas

um exercício, uma tentativa de criatividade

Select one of the pages in this story

header
Creativity

Cinderela

Há muitas Histórias mal contadas, e a da Cinderela é mais uma. É verdade que ela vivia com a madrasta e as irmãs, e estava a tirar um curso de gestão de … Read more

header
Creativity

Bianca Neves e os 7 colegas de casa

Pensamos sempre que as histórias se passaram há muito tempo, porque nos contaram a história a começar com “Era uma vez”. E se o tempo não for … Read more

header
Creativity

Agora faltam as páginas de hoje

“Agora faltam as páginas de hoje” Caraças para este gajo pah! E o pior é que ele tem razão. Faltam as 500 palavras de hoje e também faltava a … Read more

header
Creativity

Primeiro dia de aulas

Não era a primeira vez que ia para a escola, podia parecer mas não era. Ainda se lembrava de como tinha sido o primeiro dia de aulas de sempre. Como todos … Read more

header
Creativity

Dia a dia no bairro

All neighborhoods have their own whimsical and treasured characters. Those who wake up almost at the same time and meet each other in cafes, amid cheerful … Read more

header
Creativity

Viagens pelo País Encantado

Corre corre corre! Corre contra o tempo que já é quase meia noite! Será que há uma entrada para o país das maravilhas em Lisboa? Aposto que é no bairro … Read more

header
Creativity

Porque é que tu corres?

Lembro-me perfeitamente da vez que corri 9 quilómetros. De estar a ouvir a mixtape “brinde” dos Orelha Negra, de sair de casa com a cabeça … Read more

header
Creativity

Às Cartas

Odeio tabaco. Odeio o cheiro e a pose de superioridade deste gajo. E a falta de maneiras. Pega nos amendoim com a mão cheia, enfia-os na boca como se fosse … Read more

header
Creativity

18 08 2017

Estava sentado sozinho na mesa de um café ao computador. A ouvir música pelos auriculares, baixo o suficiente para ouvir o que o rodeava. Numa das mesas … Read more

header
Creativity

17 08 2017

Eu leio pouco, mas ainda assim há ocasiões em que me lembro de bocadinhos de literatura que fazem todo o sentido. Hoje foi o Poema em Linha Reta de Álvaro … Read more

header
Creativity

16 08 2017

É sempre complicado deixar as coisas arrastar. Esta rotina funciona muito melhor quando a consigo fazer ainda de manhã. E há conversas que não se podem nem … Read more

header
Creativity

15 08 2017

Ainda há dois minutos ou três eu tinha ideia sobre o que queria escrever. Entretanto fugiu quando entrei na rotina de feriado. Já não estou à janela porque … Read more

header
Creativity

14 08 2017

Não sei se vai ser difícil escrever uma página por dia. Por agora estou sentado à mesa do pequeno almoço, rodeado de banalidades e com uma chávena de café … Read more

Follow

Enter your email to get a weekly digest of new posts.