2 min read

Há muitas Histórias mal contadas, e a da Cinderela é mais uma.

É verdade que ela vivia com a madrasta e as irmãs, e estava a tirar um curso de gestão de empresas. Trabalhava como uma gata borralheira para pagar as contas e ter a casa arrumada. Gostava de sair à noite, aliás, adorava ir sair.

E sempre que podia, tinha a companhia da Madrinha de faculdade nas noitadas. A madrinha que entretanto já tinha terminado o curso e trabalhava numa consultora.

Todo o resto do tempo vivia infernizada pelas irmãs. Umas criaturas curiosas que debatiam unhas de gel e davam risinhos a falar de rapazes. Contavam histórias mirabolantes, mas a Cinderela suspeitava que nem um beijinho tinham dado na vida.

Mas nada disto a incomodava muito, importante mesmo era terminar o curso para abrir a sua empresa. E estava no bom caminho, as notas corriam bem e depois de mais um exame ia à festa de Fim de Ano.

A Madrinha, que a adorava, levou-a às compras e ofereceu-lhe um vestido de arrasar. “Vais matar aquelas duas cabras de inveja!”. Terminaram esse dia a comprar os sapatos, prateados e brilhavam que nem estrelas, capazes de rivalizar com qualquer par do Luís Onofre.

Dito e feito. No dia D entrou na festa e fez as cabeças rodar na direcção dela. Os homens de queixo caído, as mulheres divididas entre o espanto e uma pontinha de inveja. Algumas com algo mais, que reprimiam prontamente.

Foi na pista de Dança que conheceu o Afonso e ficaram vidrados um no outro naquele instante. Dançaram a noite toda, divertiram-se, fugiram para estar sozinhos e para se deixar levar pelas emoções.

Dormiram juntos, mas pouco. E a Cinderela acordou uns minutos antes dos primeiros raios de sol para sair de fininho. Vestiu-se em silêncio, procurou os sapatos até que sentiu o Afonso a acordar. Só teve tempo de agarrar num dos sapatos e correr descalça pelas escadas.

O Afonso, esse, acordou com o fechar da porta e só teve um sapato de cristal para se lembrar daquela noite. Ainda a procurou por toda a faculdade, mas era tarde. O verão tinha chegado e a Cinderela terminado o curso.

E tal como tinha planeado, ela tornou-se uma empresária de sucesso com a sua própria empresa. Saiu rapidamente de casa da madrasta para morar num apartamento no Restelo e se dedicar a tempo inteiro ao trabalho.

Tinha aberto uma loja de alta costura, especializada em vestidos de noite, lingerie de luxo, e sex toys. Sapatinho de Cristal — “Para noites inesquecíveis”.


Às Páginas Tantas

um exercício, uma tentativa de criatividade

Select one of the pages in this story

header
Creativity

Cinderela

Há muitas Histórias mal contadas, e a da Cinderela é mais uma. É verdade que ela vivia com a madrasta e as irmãs, e estava a tirar um curso de gestão de … Read more

header
Creativity

Bianca Neves e os 7 colegas de casa

Pensamos sempre que as histórias se passaram há muito tempo, porque nos contaram a história a começar com “Era uma vez”. E se o tempo não for … Read more

header
Creativity

Agora faltam as páginas de hoje

“Agora faltam as páginas de hoje” Caraças para este gajo pah! E o pior é que ele tem razão. Faltam as 500 palavras de hoje e também faltava a … Read more

header
Creativity

Primeiro dia de aulas

Não era a primeira vez que ia para a escola, podia parecer mas não era. Ainda se lembrava de como tinha sido o primeiro dia de aulas de sempre. Como todos … Read more

header
Creativity

Dia a dia no bairro

All neighborhoods have their own whimsical and treasured characters. Those who wake up almost at the same time and meet each other in cafes, amid cheerful … Read more

header
Creativity

Viagens pelo País Encantado

Corre corre corre! Corre contra o tempo que já é quase meia noite! Será que há uma entrada para o país das maravilhas em Lisboa? Aposto que é no bairro … Read more

header
Creativity

Porque é que tu corres?

Lembro-me perfeitamente da vez que corri 9 quilómetros. De estar a ouvir a mixtape “brinde” dos Orelha Negra, de sair de casa com a cabeça … Read more

header
Creativity

Às Cartas

Odeio tabaco. Odeio o cheiro e a pose de superioridade deste gajo. E a falta de maneiras. Pega nos amendoim com a mão cheia, enfia-os na boca como se fosse … Read more

header
Creativity

18 08 2017

Estava sentado sozinho na mesa de um café ao computador. A ouvir música pelos auriculares, baixo o suficiente para ouvir o que o rodeava. Numa das mesas … Read more

header
Creativity

17 08 2017

Eu leio pouco, mas ainda assim há ocasiões em que me lembro de bocadinhos de literatura que fazem todo o sentido. Hoje foi o Poema em Linha Reta de Álvaro … Read more

header
Creativity

16 08 2017

É sempre complicado deixar as coisas arrastar. Esta rotina funciona muito melhor quando a consigo fazer ainda de manhã. E há conversas que não se podem nem … Read more

header
Creativity

15 08 2017

Ainda há dois minutos ou três eu tinha ideia sobre o que queria escrever. Entretanto fugiu quando entrei na rotina de feriado. Já não estou à janela porque … Read more

header
Creativity

14 08 2017

Não sei se vai ser difícil escrever uma página por dia. Por agora estou sentado à mesa do pequeno almoço, rodeado de banalidades e com uma chávena de café … Read more

Follow

Enter your email to get a weekly digest of new posts.