3 min read

Eu leio pouco, mas ainda assim há ocasiões em que me lembro de bocadinhos de literatura que fazem todo o sentido.

Hoje foi o Poema em Linha Reta de Álvaro de Campos, aliás, tem sido esse há já uns tempos que me tem ocorrido.

“Nunca conheci quem tivesse levado porrada, todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.” Quando é que foi a última vez que alguém vos confessou os seus erros e as suas falhas? Pois.

Foi quando li isto pela primeira vez que me ocorreu olhar para quem me rodeava e tentar imaginar que tropeções e que derrotas as pessoas estariam a esconder.

Mas há outros bocadinhos que vou guardando que são mais interessantes. Oscar Wilde: Consigo resistir a tudo, menos à tentação. A candura e sinceridade são coisas tão escassas hoje em dia. E vejo toda uma construção da realidade digital …

Vamos por partes, como diria o Jack. A realidade é toda a mesma, seja online ou offline, digital ou analógica. Só que nas coisas analógicas não temos como fazer ctrl-z. O que acontece é um facto e todos os factos têm o seu lugar marcado no tempo.

A construção digital surge quando escolhemos que parte da nossa vida é partilhada online. Todos fazemos isso, não mintam, não finjam.

Quantas vezes não fiz uma receita qualquer em casa que correu tão mal, mas tão mal que não teve direito a Instagram. Quantas vezes já fotografei os ingredientes como se estivesse a preparar algo fantástico e no final era só um Wok mal amanhado.

Começo a pensar que nos levamos demasiado a sério. Que temos um medo de errar, de ser menos perfeitos aos olhos de figuras mais ou menos anónimas que fazem um ou dois cliques só para nos dar graxa.

Se calhar estou a ser um bocadinho cínico, é verdade. Mas quantas vezes não passámos horas a escolher a melhor foto de perfil? (Já agora, eu estou com o pior corte de cabelo de sempre para esta altura da história.)

Não discordo que as pessoas se esforcem para parecer o seu melhor, para se sentirem bem. De todo. Discordo sim que se levem demasiado a sério e que se foquem no concurso de popularidade em que transformámos a internet.

E às vezes, até são as coisas menos sérias e menos preocupadas com o que fica bem que se tornam interessantes.

“AH SIM! É mesmo isto, é este texto cheio de eloquência e bom senso que vai começar a mudar o mundo dos que me rodeiam e ajudar-me a ser mais sincero todos!”

O Tanas.

Sei lá eu se isto não é uma programação genética qualquer a que não conseguimos fugir. Ou se sendo sendo alguma forma de enculturação poderá algum dia ser invertida.

O importante é termos os olhos na linha de água e garantirmos que não nos afogamos nestes comportamentos e nestes desejos de uma perfeição digital.

E já agora confesso-vos que este exercício diário me está a cansar e precisa de um novo twist. De uma barreira um bocadinho mais alta. Porque nas últimas coisas que escrevi entrei sempre numa espiral de introspecção e pseudo filosofia. (Olá Joana Sousa!)

Vamos ver, amanhã é outro dia e tentamos algo diferente. 541 palavras.


Às Páginas Tantas

um exercício, uma tentativa de criatividade

Select one of the pages in this story

header
Creativity

Cinderela

Há muitas Histórias mal contadas, e a da Cinderela é mais uma. É verdade que ela vivia com a madrasta e as irmãs, e estava a tirar um curso de gestão de … Read more

header
Creativity

Bianca Neves e os 7 colegas de casa

Pensamos sempre que as histórias se passaram há muito tempo, porque nos contaram a história a começar com “Era uma vez”. E se o tempo não for … Read more

header
Creativity

Agora faltam as páginas de hoje

“Agora faltam as páginas de hoje” Caraças para este gajo pah! E o pior é que ele tem razão. Faltam as 500 palavras de hoje e também faltava a … Read more

header
Creativity

Primeiro dia de aulas

Não era a primeira vez que ia para a escola, podia parecer mas não era. Ainda se lembrava de como tinha sido o primeiro dia de aulas de sempre. Como todos … Read more

header
Creativity

Dia a dia no bairro

All neighborhoods have their own whimsical and treasured characters. Those who wake up almost at the same time and meet each other in cafes, amid cheerful … Read more

header
Creativity

Viagens pelo País Encantado

Corre corre corre! Corre contra o tempo que já é quase meia noite! Será que há uma entrada para o país das maravilhas em Lisboa? Aposto que é no bairro … Read more

header
Creativity

Porque é que tu corres?

Lembro-me perfeitamente da vez que corri 9 quilómetros. De estar a ouvir a mixtape “brinde” dos Orelha Negra, de sair de casa com a cabeça … Read more

header
Creativity

Às Cartas

Odeio tabaco. Odeio o cheiro e a pose de superioridade deste gajo. E a falta de maneiras. Pega nos amendoim com a mão cheia, enfia-os na boca como se fosse … Read more

header
Creativity

18 08 2017

Estava sentado sozinho na mesa de um café ao computador. A ouvir música pelos auriculares, baixo o suficiente para ouvir o que o rodeava. Numa das mesas … Read more

header
Creativity

17 08 2017

Eu leio pouco, mas ainda assim há ocasiões em que me lembro de bocadinhos de literatura que fazem todo o sentido. Hoje foi o Poema em Linha Reta de Álvaro … Read more

header
Creativity

16 08 2017

É sempre complicado deixar as coisas arrastar. Esta rotina funciona muito melhor quando a consigo fazer ainda de manhã. E há conversas que não se podem nem … Read more

header
Creativity

15 08 2017

Ainda há dois minutos ou três eu tinha ideia sobre o que queria escrever. Entretanto fugiu quando entrei na rotina de feriado. Já não estou à janela porque … Read more

header
Creativity

14 08 2017

Não sei se vai ser difícil escrever uma página por dia. Por agora estou sentado à mesa do pequeno almoço, rodeado de banalidades e com uma chávena de café … Read more

Follow

Enter your email to get a weekly digest of new posts.