3 min de leitura

Todos os bairros têm as suas personagens mais caricatas e queridas. Que se levantam quase à mesma hora e se encontram nos cafés entre sorrisos mais alegres e outros mais tristes.

Os pontos de encontro distribuem-se por espaços e por alturas do dia. De manhã com a bica do pequeno almoço trocam-se galhardetes com as manchetes d’A Bola. Depois do almoço há toda uma luta por um lugar à sombra onde se atirem dominós à mesa.

Mas há bancos de jardim que quase têm sinais de “reservado”, invisíveis, mas que as pessoas do bairro conseguem ler.

Um desses é o banco de jardim de Santo Amaro. É o banco do Sr Apolinário. Um lugar sempre à sombra onde dá de comer aos pombos, conversa com os amigos e os desconhecidos.

Toda a gente lhe adora o sorriso constante e a alegria com que diz bom dia. Em tempo de aulas os miúdos, até os mais velhos, acabam por tirar dois minutos para se sentar com ele e conversar sobre o tempo.

O que não falta ao Sr. Apolinário são histórias para contar. Viajou por meio mundo, trabalhou em Angola, esteve na Guiné, e por toda a América Latina, diz-se que também esteve pelo Japão e por mais terras de que não se lembra do nome.

Algumas das pessoas do bairro são mais desconfiadas e dizem que mente, que embeleza a verdade. Nunca conseguem provar, mas ficam na sua teimosia e não arredam pé. Não podem é negar que o Sr. Apolinário tem uma história de vida muito rica.

Por vezes, passam-se semanas em que não se ouve falar do Sr. Apolinário e em que o banco de jardim fica ao abandono. Quando volta e lhe perguntam “então por onde andou?” Ri-se e conta que foi pilotar helicópteros para ganhar uns trocos.

Já era uma piada recorrente, especialmente quando perdia dinheiro a jogar às cartas na tasca do Manel. “Para a semana tens de ir pilotar uns quantos para podermos jogar outra vez!”

Um dia o Sr. Apolinário deixou de aparecer no banco de jardim. E as semanas foram passando para lá do habitual, de quando ia pilotar helicópteros. Até alguns dos miúdos mais velhos perguntavam por ele nos cafés do costume.

Três rendas passaram e o senhorio chamou a polícia para dar conta do desaparecimento. Foram três a casa dele, arrombaram a porta de acordo com a Lei e a imaginar que o iam encontrar caído algures. Nem sinal dele. Tinha deixado tudo para trás, excepto algumas roupas e um cofre vazio. Não parecia ter saído com pressa, mas tinha sido meticuloso.

Entre os pertences do Sr. Apolinário estavam vários albums de fotografias. Armado em frente a um helicóptero, rodeado de companheiros de camuflado e sorriso rasgado. Dentro de um baú estavam divisórias para toda a espécie de estupefacientes. Três anos depois, a investigação para descobrir o que aconteceu ao Sr. Apolinário ainda está em aberto.

Nos cafés e nos bancos de jardim ainda se conta esta história. Algumas pessoas do bairro continuam mais desconfiadas e não arredam pé da sua teimosia.

519 palavras.


Às Páginas Tantas

um exercício, uma tentativa de criatividade

Seleciona um dos capítulos desta história

header
Creativity

Cinderela

Há muitas Histórias mal contadas, e a da Cinderela é mais uma. É verdade que ela vivia com a madrasta e as irmãs, e estava a tirar um curso de gestão de … Ler mais

header
Creativity

Bianca Neves e os 7 colegas de casa

Pensamos sempre que as histórias se passaram há muito tempo, porque nos contaram a história a começar com “Era uma vez”. E se o tempo não for … Ler mais

header
Creativity

Agora faltam as páginas de hoje

Caraças para este gajo pah! E o pior é que ele tem razão. Faltam as 500 palavras de hoje e também faltava a imaginação para saber o que escrever a seguir. … Ler mais

header
Creativity

Primeiro dia de aulas

Não era a primeira vez que ia para a escola, podia parecer mas não era. Ainda se lembrava de como tinha sido o primeiro dia de aulas de sempre. Como todos … Ler mais

header
Creativity

Dia a dia no bairro

Todos os bairros têm as suas personagens mais caricatas e queridas. Que se levantam quase à mesma hora e se encontram nos cafés entre sorrisos mais alegres … Ler mais

header
Creativity

Viagens pelo País Encantado

Corre corre corre! Corre contra o tempo que já é quase meia noite! Será que há uma entrada para o país das maravilhas em Lisboa? Aposto que é no bairro … Ler mais

header
Creativity

Porque é que tu corres?

Lembro-me perfeitamente da vez que corri 9 quilómetros. De estar a ouvir a mixtape “brinde” dos Orelha Negra, de sair de casa com a cabeça … Ler mais

header
Creativity

Às Cartas

Odeio tabaco. Odeio o cheiro e a pose de superioridade deste gajo. E a falta de maneiras. Pega nos amendoim com a mão cheia, enfia-os na boca como se fosse … Ler mais

header
Creativity

18 08 2017

Estava sentado sozinho na mesa de um café ao computador. A ouvir música pelos auriculares, baixo o suficiente para ouvir o que o rodeava. Numa das mesas … Ler mais

header
Creativity

17 08 2017

Eu leio pouco, mas ainda assim há ocasiões em que me lembro de bocadinhos de literatura que fazem todo o sentido. Hoje foi o Poema em Linha Reta de Álvaro … Ler mais

header
Creativity

16 08 2017

É sempre complicado deixar as coisas arrastar. Esta rotina funciona muito melhor quando a consigo fazer ainda de manhã. E há conversas que não se podem nem … Ler mais

header
Creativity

15 08 2017

Ainda há dois minutos ou três eu tinha ideia sobre o que queria escrever. Entretanto fugiu quando entrei na rotina de feriado. Já não estou à janela porque … Ler mais

header
Creativity

14 08 2017

Não sei se vai ser difícil escrever uma página por dia. Por agora estou sentado à mesa do pequeno almoço, rodeado de banalidades e com uma chávena de café … Ler mais

Seguir

Coloca o teu email para receber um email semanal com os últimos artigos.