Há muitas Histórias mal contadas, e a da Cinderela é mais uma.

É verdade que ela vivia com a madrasta e as irmãs, e estava a tirar um curso de gestão de empresas. Trabalhava como uma gata borralheira para pagar as contas e ter a casa arrumada. Gostava de sair à noite, aliás, adorava ir sair.

E sempre que podia, tinha a companhia da Madrinha de faculdade nas noitadas. A madrinha que entretanto já tinha terminado o curso e trabalhava numa consultora.

Todo o resto do tempo vivia infernizada pelas irmãs. Umas criaturas curiosas que debatiam unhas de gel e davam risinhos a falar de rapazes. Contavam histórias mirabolantes, mas a Cinderela suspeitava que nem um beijinho tinham dado na vida.

Mas nada disto a incomodava muito, importante mesmo era terminar o curso para abrir a sua empresa. E estava no bom caminho, as notas corriam bem e depois de mais um exame ia à festa de Fim de Ano.

A Madrinha, que a adorava, levou-a às compras e ofereceu-lhe um vestido de arrasar. “Vais matar aquelas duas cabras de inveja!”. Terminaram esse dia a comprar os sapatos, prateados e brilhavam que nem estrelas, capazes de rivalizar com qualquer par do Luís Onofre.

Dito e feito. No dia D entrou na festa e fez as cabeças rodar na direcção dela. Os homens de queixo caído, as mulheres divididas entre o espanto e uma pontinha de inveja. Algumas com algo mais, que reprimiam prontamente.

Foi na pista de Dança que conheceu o Afonso e ficaram vidrados um no outro naquele instante. Dançaram a noite toda, divertiram-se, fugiram para estar sozinhos e para se deixar levar pelas emoções.

Dormiram juntos, mas pouco. E a Cinderela acordou uns minutos antes dos primeiros raios de sol para sair de fininho. Vestiu-se em silêncio, procurou os sapatos até que sentiu o Afonso a acordar. Só teve tempo de agarrar num dos sapatos e correr descalça pelas escadas.

O Afonso, esse, acordou com o fechar da porta e só teve um sapato de cristal para se lembrar daquela noite. Ainda a procurou por toda a faculdade, mas era tarde. O verão tinha chegado e a Cinderela terminado o curso.

E tal como tinha planeado, ela tornou-se uma empresária de sucesso com a sua própria empresa. Saiu rapidamente de casa da madrasta para morar num apartamento no Restelo e se dedicar a tempo inteiro ao trabalho.

Tinha aberto uma loja de alta costura, especializada em vestidos de noite, lingerie de luxo, e sex toys. Sapatinho de Cristal — “Para noites inesquecíveis”.

Unsplash Logotamara menzi

Seleciona um dos capítulos desta história Às Páginas Tantas

um exercício, uma tentativa de criatividade

2017 09 10
Creativity Cinderela

Há muitas Histórias mal contadas, e a da Cinderela é mais uma. É verdade que ela vivia com a madrasta e as irmãs, e estava a tirar um curso de gestão de …

2017 08 25
Creativity Bianca Neves e os 7 colegas de casa

Pensamos sempre que as histórias se passaram há muito tempo, porque nos contaram a história a começar com “Era uma vez”. E se o tempo não for …

2017 08 24
Creativity Agora faltam as páginas de hoje

Caraças para este gajo pah! E o pior é que ele tem razão. Faltam as 500 palavras de hoje e também faltava a imaginação para saber o que escrever a seguir. …

2017 08 23
Creativity Primeiro dia de aulas

Não era a primeira vez que ia para a escola, podia parecer mas não era. Ainda se lembrava de como tinha sido o primeiro dia de aulas de sempre. Como todos …

22 08 2017
Creativity Dia a dia no bairro

Todos os bairros têm as suas personagens mais caricatas e queridas. Que se levantam quase à mesma hora e se encontram nos cafés entre sorrisos mais alegres …

2017 08 21
Creativity Viagens pelo País Encantado

Corre corre corre! Corre contra o tempo que já é quase meia noite! Será que há uma entrada para o país das maravilhas em Lisboa? Aposto que é no bairro …

19 08 2017
Creativity Às Cartas

Odeio tabaco. Odeio o cheiro e a pose de superioridade deste gajo. E a falta de maneiras. Pega nos amendoim com a mão cheia, enfia-os na boca como se fosse …

2017 08 20
Creativity Porque é que tu corres?

Lembro-me perfeitamente da vez que corri 9 quilómetros. De estar a ouvir a mixtape “brinde” dos Orelha Negra, de sair de casa com a cabeça …

Creativity 18 08 2017

Estava sentado sozinho na mesa de um café ao computador. A ouvir música pelos auriculares, baixo o suficiente para ouvir o que o rodeava. Numa das mesas …

Creativity 17 08 2017

Eu leio pouco, mas ainda assim há ocasiões em que me lembro de bocadinhos de literatura que fazem todo o sentido. Hoje foi o Poema em Linha Reta de Álvaro …

Creativity 16 08 2017

É sempre complicado deixar as coisas arrastar. Esta rotina funciona muito melhor quando a consigo fazer ainda de manhã. E há conversas que não se podem nem …

Creativity 15 08 2017

Ainda há dois minutos ou três eu tinha ideia sobre o que queria escrever. Entretanto fugiu quando entrei na rotina de feriado. Já não estou à janela porque …

Creativity 14 08 2017

Não sei se vai ser difícil escrever uma página por dia. Por agora estou sentado à mesa do pequeno almoço, rodeado de banalidades e com uma chávena de café …

Subscrever

Coloca o teu email para receber um email semanal com os últimos artigos.